Soldados Romanos


Sold13.jpg (18744 bytes) Cavaleiro de coorte auxiliar com guerreiros do norte da África, equipado com um mínimo de proteção, apenas um pequeno escudo redondo e uma túnica. Seu armamento é do tipo de cavalaria leve ou ligeira. Consiste de algumas pequenas lanças(javalinas) de arremeço e para o combate aproximado, uma espada longa.Este guerreiro pertence a uma unidade chamada de Mauri feroces, ou ferozes mouros.

 

Sold7.jpg (23636 bytes)

 

 

    Um cavaleiro romano do século IV. Seu armamento defensivo é constituído por um escudo redondo de tamanho médio, armadura de escamas metálicas e um capacete tembém de metal. O armamento ofensivo é uma lança longa e uma espada, que era levada à cintura. Este cavaleiro integrava a cavalaria dos exércitos móveis (ou comitatenses) que passaram a existir em maior número após a reorganização do exército, promovida pelos imperadores Diocleciano e Constantino. Durante o Baixo Império, a cavalaria romana era melhor armada e adestrada do que a infantaria.

Sold1.jpg (24922 bytes)

    Legionário romano do século III, que representa a fase do exército em que o equipamento e o treinamento alcançaram o maior desenvolvimento e eficiência. Seu armamento esteve presente na legião romana desde o século III até início do IV, quando a infantaria foi sendo relegada à seundo plano. Tinha como defesa um escudo que podia ser o retangular (figura) ou os ovais planos que passaram a ser mais comuns em épocas mais tardias. A armadura era de metal e cobria o tórax e um capacete metálico completavam o armamento defensivo do legionário. Esta configuração perdurou por muito tempo com algumas pequenas modificações, sempre para reduzir o peso e o custo.

    As armas ofencivas variaram bastante, sendo básico a lança pesada, a espada curta conhecida como gladio e algumas lanças de aremesso, o pilum. A principal arma da legião era a obediência e a disciplina tática aliada à grande organização da intendência.

leg_f11.jpg (48807 bytes)

 

 

 

 

 

A partir do século IV, a infantaria passou a ser uma força de segunda categoria, sendo que estavam destinadas quase que exclusivamente à unidades estacionadas nas fronteiras do império. Junto às forças móveis de cavalaria, havia também unidades de infantaria, as legiões de campanha chamadas de legiones palatinae. O exército de campanha ou móvel, em oposição ao de fronteira, também tinha algumas coortes de auxiliares, as auxilia palatina. É o caso deste soldado recrutado na Bretanha, identificado pelo padrão do escudo, conforme descrito na Notitia Dignitatum. Seu armamento de defesa consiste no escudo oval plano com bordas reforçadas por metal, capacete metálico e uma túnica sem armadura. Como ataque utilizava uma lança e a espada.