As famílias fronteiriças

As famílias "Fronteiriças"

 

        A fronteira entre a Inglaterra e o país de Gales sempre foi uma região de contenção. Sua geografia distinta, recortada grosseiramente entre as montanhas galesas e os rios ingleses, tem isolado este pedaço de terra rural e pouco populosa, criando  uma identidade única. É uma região onde os nomes das cidades e dos acidentes geográficos são uma mistura dos idiomas galês e inglês, refletindo a influência política e cultural inglesa. Cidades fronteiriças como Oswestry, Montgomery, Knighton, Kington, Presteigne e Hay-on-Wye, sofrem de uma certa "indefinição" no que diz respeito à tradição cultural, pois alguns de seus habitantes se consideram mais ou menos galeses ou ingleses. O mesmo sentimento se estende a todos que vivem a oeste de Shrewsbury, Loemister, Ludlow ou Hereford, porque cidades como estas, muito mais que as fronteiras políticas, marcaram o início da Inglaterra.

        A região é constituída por montanhas, pântanos, fazendas, vales de rios e pequenas cidades. Construções de madeira e castelos coexistem lado a lado. De fato, de acordo com Rowley, The Welsh Marches (como as fronteiras são conhecidas) contém a maior concentração de castelos de morro e cerca (motte and bailey) em Gales e na Inglaterra, o que não é uma grande surpresa, porque esta foi uma área de freqüentes conflitos. Já na Idade de Ferro, as disputas ocorriam em ambos os lados da fronteira. Os romanos estabeleceram fortes em Chester, Gloucester e Caerleon, ao longo da fonteira, numa tentativa de restringir as rebeliões galesas. E os anglo-saxões, sob a liderança do rei Offa de Mercia, construíram a primeira barricada ao longo das fronteiras no final do século VIII: o dique de Offa, que marcava com precisão a fronteira entre a Inglaterra do País de Gales. Posteriormente, com a chegada dos normandos, esta fronteira foi reconhecida como um limite político e territorial entre Gales e o território inglês.

        O termo March provém do termo anglo-saxão maerc que significa fronteira. Entretanto, the marches são muito mais que apenas uma fronteira entre duas terras. Embora uns poucos normandos tenham se estabelecido na região antes da conquista, só foi possível construir castelos nestes lugares, tais como Ewas Harold, o castelo de Richard e Hereford, depois de 1066, quando William, o Conquistador, conseguiu subjugar as terras fronteiriças. Gales não se sujeitou graciosamente ao controle normando e resistiu por mais de 100 anos.Para acabar com as insurreições galesas, o rei William criou os chamados feudos fronteiriços, doando uma série de pequenos feudos a mais de 150 de seus valiosos colaboradores. Estes territórios foram coletivamente chamadas  The Welsh Marches,as fronteiras galesas, enquanto que as terras nativas galesas a oeste eram território galês autônomo. Os senhores destes feudos governavam suas terras como queriam, diferentemente de seus pares na Inglaterra, que se submetiam diretamente ao rei. Estes senhores fronteiriços podiam construir castelos, administrar as leis, incitar guerras, fundar cidades, e "possuíam todas as garantias de um rei - espólios, a posse de tesouros sem dono e o direito de pilhagem". As pessoas que viviam nestas fronteiras eram sujeitas aos costumes dali, enquanto aqueles de Gales ainda se submetiam às leis de Hywel Dda (lei galesa nativa).

Os normandos em Gales  
        Os principais núcleos da fronteira foram estabelecidos em três cidades, Chester, Shrewsbury e Hereford, que eram administradas por poderosos condes. Também foram construídos diversos castelos nas fronteiras: Chepstow, St. Briavel's, Monmouth, Clerwell, Goodrich, Pembridge, Hay-on-Wye, Clyro, Clifford, Clun, White, Skenfrith, Grosmont, Ludlow, Painscastle, Croft, Wigmore, Montgomery, Stokesay, Powis, Hopton, Chirk, Whittington, Longtown, Huntington, e Bridgnorth. Foram estes e outros castelos, principalmente os construídos por Mestre James de St Georges, que asseguraram um controle definitivo sobre o território de Gales, permitindo que Eduardo I pusesse fim a mais de mil anos de independência galesa. Você pode ver a localização dos principais condados (earls) clicando no ícone à esquerda.


   

Retorna à página inicial do Projeto Chronos